Fomento ao consumo colaborativo através do Design Estratégico/Promotion of collaborative consumption through Strategic Design

Aline Callegaro de Paula Bueno

Resumo


O consumo colaborativo tem sido reconhecido como uma prática que coopera para a redução do uso de recursos naturais assim como uma forma de reforçar qualidades relacionais como confiança e solidariedade. No Brasil, o consumo colaborativo e o compartilhamento de bens tangíveis e intangíveis ainda não é tão frequente, porém há iniciativas que demonstram grande potencial para a disseminação de tais práticas. O presente artigo indica as casas colaborativas, espaços compartilhados de trabalho em que desenvolvem-se processos colaborativos entre diversos atores, como terrenos férteis para o fomento do consumo colaborativo e compartilhado. E aponta para possíveis oportunidades de atuação do design estratégico para o fomento e disseminação dessa forma de consumo.

Texto completo:

PDF

Referências


BELK, Russell. Sharing. Journal of consumer research, v. 36, n. 5, p. 715-734, 2009.

BELK, Russell. You are what you can access: Sharing and collaborative consumption online. Journal of Business Research, v. 67, n. 8, p. 1595-1600, 2014.

BOTSMAN, Rachel; ROGERS, Roo. O que é meu é seu: como o consumo colaborativo vai mudar o mundo. Porto Alegre: Booksman, 2011.

BOTSMAN, Rachel. The Sharing Economy: Dictionary of Commonly Used Terms. 2015. Disponível em: < https://medium.com/@rachelbotsman/the-sharing-economy-dictionary-of-commonly-used-terms-d1a696691d12>. Acesso em 27 jul. 17.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

FELSON, Marcus; SPAETH, Joe L. Community structure and collaborative consumption: A routine activity approach. American Behavioral Scientist, v. 21, n. 4, p. 614-624, 1978.

JÉGOU, François; MANZINI, Ezio. Collaborative Services: Social innovation and design for sustainability. Milão: Edizioni POLI.design, 2008.

MANZINI, Ezio. Design para a inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.

MARKET ANALYSIS. O consumo colaborativo e o consumidor brasileiro. 2015. Disponível em: < http://marketanalysis.com.br/wp-content/uploads/2017/04/2015-Market-Analysis-O-consumo-colaborativo-e-o-consumidor-brasileiro.pdf> Acesso em 31 jul. 2017.

MARKET ANALYSIS. Radar do Consumo Colaborativo 2017. Disponível em: < http://marketanalysis.com.br/publicacoes/radar-de-consumo-colaborativo-2017-relatorio-completo/>. Acesso em 31 jul. 2017.

MICHELIN, Coral. Seeding de casa colaborativa na perspectiva do design estratégico. 2017. Dissertação (Mestrado em Design) - Programa de Pós-Graduação em Design, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Porto Alegre, 2017.

OLIVEIRA, Oswaldo. Empreender em rede. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=YZVBuDs2mi0 >. Acesso em 27 jul. 2017.

ONU. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. [2015?]. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/>.Acesso em 20 jul. 2017

OUISHARE, 2017. The Collaborative Economy. Disponível em: < http://ouishare.net/en/about/collaborative_economy>. Acesso em 27 jul. 1207.

VELASQUES, Taline S. Ecossistemas Criativos: relações colaborativas e ação projetual nos coletivos criativos informais. 2016. Dissertação (Mestrado em Design) - Programa de Pós-Graduação em Design, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Porto Alegre, 2016.





ISSN | 2177-4870